Os Hussitas

O período hussita talvez seja o período mais importante da história checa, mas é certamente o mais emocionante. Jan Hus foi um professor universitário na Universidade Carlos e um crente firme nas ideias do Inglês teórico John Wycliffe. Hus foi o protagonista do movimento relacionado com a fé baseada na Bíblia, em oposição à hierarquia da igreja.

Talvez a sua crença mais radical tenha sido a de que todos os cristãos deviam ser autorizados a realizar plena comunhão, pois naquela altura somente os membros do clero estavam autorizados a beber o sangue de Cristo. Na verdade, esta parte das suas crenças tornou-se tão popular que o cálice utilizado para a comunhão passou a simbolizar os hussitas. Ele promoveu a reforma da igreja um século antes de Martinho Lutero e defendeu a sua crença de que as indulgências não deviam estar disponíveis para venda às pessoas.

Em 1415, Hus foi convocado a Constança para comparecer perante um conselho da igreja. Ele foi condenado por heresia e queimado na fogueira como punição.

Contudo, a morte de Hus não impediu o movimento hussita – na verdade, galvanizou-o ainda mais e a Boémia ficou rapidamente repleta de radicais religiosos. Isso originou guerras hussitas. Essas guerras começaram quando uma manifestação em 1419 pelos hussitas saiu fora de controlo – os manifestantes forçaram o seu caminho até a nova Câmara Municipal e atiraram vários vereadores pela janela – o método tradicional checo de matar pessoas, aparentemente. Depois de os hussitas terem destruído algumas das áreas da cidade, o rei da Boémia, Sigismund, iniciou uma série de cruzadas contra os hussitas, que se espalharam além das fronteiras da Boémia. Ele foi derrotado na Colina Vitkov, embora pelo líder hussita, Jan Zizka – um homem com apenas um olho. Atualmente existe um monumento a Zizka no local onde a batalha foi ganha.

A estabilidade foi alcançada quando um rei hussita foi eleito em 1458 – o rei George de Podebrady (Jiri z Podebrad). A nobreza que o elegeu não o fez de forma feliz, e, quando ele morreu, eles convidaram a dinastia polaca Jagiellon para assumir o trono da Boémia, evitando assim que o reino caísse nas mãos de hereges por muito tempo. Após a morte de Vladislav II, o rei polaco, – depois de um reinado ter sido restringido pelos nobres da Boémia e também devido ao facto de o rei ter movido a capital para Buda em 1490 – ele foi substituído por Fernando de Habsburgo, o irmão do imperador Carlos V. Os Habsburgos continuaram a governar a Boémia até 1918.

PAT

Check Also

A Queda do Comunismo

O legado do comunismo ainda vive muito nos corações e mentes da República Checa e ainda afeta as psicologias do povo, bem como a situação económica e social do país. O que é evidente é que o comunismo é algo que roubou o povo checo. Quem não estava vivo durante o período do regime comunista não é capaz de compreender exatamente o que era para os homens, mulheres e crianças que viveram durante esse tempo.