Josefov: Passeio no Bairro Judeu

A excursão começa no Rudolfinum e termina na Praça da Cidade Velha.

Desde tão cedo quanto o século X, os judeus começaram a estabelecer-se em Praga e, em 1254, após uma série de pogroms (massacres organizados) devastadores, o grupo minoritário encontrou-se preso e confinado ao pequeno gueto de Josefov. Eles não foram autorizados a sair até 1848. Através dos tempos, Josefov continuou a ser palco de brutais revoltas antissemitas, por exemplo, o massacre do Domingo de Páscoa de 1389, em que 1.500 judeus foram assassinados. 

Outrora uma mistura de ruas e prédios tortos, grande parte do antigo Bairro Judeu conta uma história diferente nos dias de hoje. Não é coincidência que o arquiteto da rua Parizska tenha o nome que tem, pois entre 1893 e 1913, grande parte do antigo bairro de Josefov foi demolido para que as ruas fossem reconstruídas de forma a recriar a capital francesa.

A história do século XIX de Josefov foi totalmente eliminada da superfície. Na verdade, é o lar do Antigo Cemitério Judeu, o mais antigo cemitério judeu da Europa. Há também uma série de antigas sinagogas nos arredores, para não mencionar alguns corredores e becos iluminados por lâmpadas. Estes, muitas vezes apagam-se ao anoitecer, e, ao passar pelos mesmos, é possível imaginar o espectro de Franz Kafka, ou a lenda folclórica judaica do monstruoso Golem. 

1.Lar da Orquestra Filarmónica Checa, o Rudolfinum foi concluído em 1884 e nomeado em homenagem a Rodolfo, o Príncipe herdeiro da Áustria. Além do seu pródigo Salão de Dvorak – famoso por sua excelente acústica – o Rudolfinum também é notável pelas figuras de compositores famosos que se encontram na parte superior. Há uma novela checa famosa intitulada “Mendelssohn está no Telhado”, que conta a história de dois operários checos ordenados pelos nazis para remover uma estátua do compositor judeu Felix Mendelssohn. Em erro, eles removem a do ídolo de Hitler, Richard Wagner. O motivo? Ele tem o maior nariz.

2. Com o Rudolfinum à sua esquerda e o Vltava atrás de si, atravesse Kriznovicka (no curto espaço de tempo, o homem verde concederá permissão) e entre no Josefov em Siroka. À sua esquerda estão as paredes do Antigo Cemitério Judeu. Se não tiver tempo para uma excursão, espreite por uma das lacunas na parede para visualizar as lápides em ruínas. Devido a restrições de espaço neste pequeno terreno, alguns corpos não estão enterrados de forma apropriada.

3. Continuando ao longo de Siroka, chegará à Sinagoga Pinkas, dentro da qual se encontra o “Memorial 77.297” – concebido e gravado por Vaclav Bostik e Jiri John em homenagem a todas as vítimas do Holocausto judeu da Boémia e Morávia. A Sinagoga Pinkas é também um dos pontos onde se pode comprar bilhetes para aceder ao resto dos sítios e museus antigos de Josefov, embora o custo de entrada seja dispendioso, mas pode decidir gastar o seu dinheiro em alguns Pilsners.

4. Se virar à esquerda depois de sair da Sinagoga Pinkas, chegará ao fim de Siroka e a Maiselova, onde se encontra a Sinagoga Maisel. Este foi o edifício em que Hitler pretendia alojar o seu museu dedicado à raça extinta dos judeus. Claro que isso nunca aconteceu, pois hoje serve como um Museu Judeu composto por meios infinitamente mais agradáveis. A sinagoga foi reconstruída duas vezes – após um incêndio em 1689 e, novamente, em 1893. Agora, continue por mais três blocos ao longo de Siroka.

5. Devido ao seu estilo mourisco, algumas pessoas pensam que a Sinagoga Espanhola foi realmente uma mesquita. O interior do edifício é algo que se deve visitar, a sua “pièce de résistance” é a famosa cúpula dourada. Frantisek Skroup – compositor do hino nacional da República Checa – foi o organista aqui durante os meados do século XIX. No exterior, a estátua de Franz Kafka (com um estilo muito kafkiano) poderia facilmente ser confundida com o trabalho do artista David Cerny. Na verdade, é por outro escultor nativo, Jaroslav Rona. Alega-se que esta representa um sonho que Kafka teve uma vez, embora Rona nunca tenha falado sobre o significado da mesma. Kafka é, naturalmente, um dos grandes heróis literários de Praga, e ele deve isso ao seu amigo Max Brod, que ignorou o pedido de Kafka para queimar todos os seus manuscritos após a sua morte.

6. Prossiga para norte, depois de sair da praça, ao longo de Dusni, onde poderá avistar a Igreja de São Simão e São Judas, que foi construída entre 1615 e 1620 pelos Irmãos Boémios. Diz-se que o órgão da igreja, construído em 1724 por Andreas Wambesser, foi tocado por Wolfgang Amadeus Mozart e Joseph Haydn. A igreja costumava ser um hospital, bem como um local onde eram realizadas palestras sobre anatomia. Se, por esta altura, pretender fazer uma paragem para comer algo, experimente o excelente La Casa Azul, situado à direita, em Bilkova.

7. Se, no entanto, pretender prosseguir, vire à direita, depois de sair da Igreja de São Simão e São Judas, caminhe em direção ao norte, para Dusni, até chegar ao rio. Sobre o Vltava, à sua esquerda, está a Ponte Cechuv – uma construção do início do século XX, construída a partir de ferro e pedra e nomeada em honra do escritor Svatopluk Cech. As características de destaque da ponte são os anjos de Arte Nova a guardá-la em cada extremidade. Do outro lado do rio, poderá ver o Parque de Letna – um paraíso para os consumidores de cerveja e patinadores de skate no verão, inclusive o lar do metrónomo vermelho brilhante. Este substitui o que esteve lá até 1962 – uma gigantesca propaganda estalinista, que acabou por explodir com 800 quilos de dinamite. Pode ver o vídeo on-line. Em 1996, Michael Jackson utilizou a área para erguer uma enorme estátua de si próprio, anunciando a sua excursão europeia.

8. Vire à esquerda depois de sair de Dvorako e passeie em Parizka. Como mencionado anteriormente, esta rua é o lar da maioria das lojas de designers, portanto, precisará de uma carteira saudável se pretender adquirir um casaco ou colar novo. À sua direita, está a Antiga Sinagoga, o sótão da qual, como diz a lenda, é o lar do Golem, um monstro criado a partir de barro pelo Rabino Loew, com a intenção de proteger os habitantes do gueto judeu de ataques antissemitas. As refeições no Restaurante da Antiga Sinagoga valem a pena.

9. Depois de atravessar Parizka, encontrar-se-á na Praça da Cidade Velha de Praga. Diretamente à sua frente está a Praça da Cidade Velha. Se o espaço repleto de árvores parece um pouco fora do vulgar, saiba que é assim que tem de ser. Aqui costumava ficar o resto da Câmara Municipal, até que foi destruída pelos nazis no final da Segunda Guerra Mundial. Tudo o que resta do edifício agora é a sua torre, na qual se encontra o Relógio Astronómico.

10. Imediatamente à sua direita está a Igreja de São Nicolau, considerada como um excelente exemplo de arquitetura barroca. Até 1901, porém, a maior parte da igreja não era visível, já que estava coberta por um outro edifício, a Casa de Krenn. O interior de São Nicolau é sumptuoso, inspirado pela Capela de São Luís dos Inválidos de Paris. Embora tenha sido originalmente um local de culto católico, a Igreja foi mais tarde assumida pelos hussitas e, após termos breves como uma igreja ortodoxa russa e um armazém, voltou para os hussitas, permanecendo na sua posse até aos dias de hoje.

 

PAT

Check Also

Passeios em Carros Vintage

Alguns negócios disponibilizam viagens em torno da cidade em carros checos vintage que datam do final dos anos 20 e do início dos anos 30. Há pontos de embarque em vários locais no centro da cidade; as viagens iniciam-se conforme a disponibilidade, ou sempre que você pedir, se estiver calmo. Os passeios duram cerca de 40 minutos.