Passeio desde a Ponte de Carlos até a Praça da Cidade Velha

Onde muitas cidades europeias foram danificadas e, por vezes, arrasadas devido a desastres e conflitos – inclusive pela Segunda Guerra Mundial – Praga tem sido a mais afortunada. Ao olhar para o outro lado do Vltava, a partir da sua Margem Oriental em direção ao Castelo, muitas pessoas sentem que estão nas páginas de um livro de conto de fadas.

A Cidade Velha de Praga é um assentamento medieval. Mais tarde, no século XIV, Carlos IV acrescentou a Cidade Nova, transformando Praga na terceira maior cidade da Europa daquela época. Apesar do seu pseudónimo, “Cidade de Ouro”, ser muitas vezes atribuído às vistas deslumbrantes de Praga, quando estas são iluminadas pela luz do sol, a origem é muito mais prática. As reservas de ouro da cidade eram armazenadas em cima do telhado do Castelo de Praga.

À medida que Praga se desenvolve no século 21, esta forja a sua própria identidade moderna. Um bom exemplo disso é a Casa Dançante, também carinhosamente conhecida como o Edifício Fred e Ginger, que se encontra à beira do Vltava, ainda mais de Jiraskuv.

1.  Comece na extremidade ocidental da Ponte de Carlos, em Malá Strana (que significa “Bairro Pequeno” ou Cidade Baixa”). É agora hora de se preparar para a maior atração turística da cidade. Ao reparar em todas as outras pontes que atravessam o Vltava nos dias de hoje, é difícil acreditar que a Ponte de Carlos era de facto a única a fazê-lo até 1841. Desde a sua conclusão no início do século XV, pode imaginar o tráfego da Ponte – repleta de comerciantes e suas mercadorias, viajando desde o Bairro Pequeno até a Cidade Velha. Apesar da infinidade de maneiras de atravessar o rio que existem hoje em dia, a Ponte de Carlos continua tão movimentada como sempre.

2.  Enquanto força o seu caminho através de artistas de rua e vendedores ambulantes (isto é, a menos que tenha acordado de madrugada e feito o percurso), tente passar até um dos lados, cada um dos quais está alinhado com as estátuas barrocas de santos. As estátuas originais foram introduzidas na ponte durante o início do século XVIII, embora todas tenham sido recentemente substituídas por fac-similes. Em particular, repare na figura de São João Nepomuceno, que foi atirado para o rio e assassinado por ordem do rei Venceslau em 1393. Diz-se que se se tocar na placa dourada situada na base da estátua, ter-se-á boa sorte. Sinta-se livre para entrar na fila de turistas supersticiosos e ver se tal funciona.

3.  Ao deslocar-se para o outro lado da ponte, depois de ter apreciado alguma música e algumas das caricaturas que estavam a ser esboçadas ao longo do caminho, chegará à Ponte-Torre da Cidade Velha.  Como a Torre da Pólvora em Namesti Republiky, esta fazia parte das fortificações da Cidade Velha. No entanto, apesar dos seus meios práticos, a ornamentação de estilo gótico significa que este edifício é considerado como um dos mais surpreendentes da sua espécie. Olhe para cima ao passar através da sua travessia e maravilhe-se com os seus murais do século 14.

4.  Ao sair da Ponte-Torre, à sua esquerda, poderá visualizar a Igreja de São Francisco Serafim – muitas vezes negligenciada devido ao facto de estar cercada por muitas outras estruturas históricas. Esta pertence à Ordem dos Cavaleiros da Cruz com uma Estrela Vermelha e foi fundada por Santa Inês da Boémia em 1233. Onde o hospital do mosteiro costumava estar, agora está localizado um espaço para exposições no qual é apresentado um fragmento da Ponte de Judite. Esta ficou no lugar da Ponte de Carlos até 1342.

5.  Ao atravessar Krizovnicka e descer até Karlova, será perdoado se pensar que esta rua foi estragada pela congregação de lojas de recordações e restaurantes caríssimos. Uma inspeção mais detalhada, no entanto, revelará vestígios da história, um dos quais reside no endereço 188/4. Esta é a antiga casa de Johannes Kepler, o matemático e astrónomo alemão. Kepler estabeleceu as leis do movimento planetário neste local. À medida que a rua se abre para Liliova, encontrará o antigo boticário U zlate studne (no Poço Dourado), que está ornamentado com os rostos dos curadores da peste negra – São Sebastião (à esquerda) e São Rocha. Se tal for do seu interesse, considere uma visita ao memorial à peste negra que está situado um pouco mais ao sul, na margem oriental.

6.  Ao virar à esquerda, através da arcada (passagem em arco) na parede norte da praça, encontrar-se-á no terreno do Clementinum, que atualmente constitui o lar da Biblioteca Nacional da República Checa. O seu nome deriva da Capela de São Clemente, que originalmente estava no local. Desde então, a área tem alojado um mosteiro dominicano, um colégio jesuíta e, posteriormente, um observatório. O Clementinum é mencionado em “O Milagre Secreto” de Jorge Luis Borges.

7.  Ao atravessar as fundações do Clementinum e passar através de um arco de saída, chegará a Marianske namesti. Diretamente à sua frente está a Câmara Municipal de Praga, o lar do prefeito da cidade, e, à sua esquerda, a Biblioteca Municipal de Praga, em cima da qual é possível visualizar diversas estátuas que representam os vários assuntos da academia. Existe um pequeno oásis de tranquilidade entre a Ponte de Carlos e a Praça da Cidade Velha, mas pode existir algo de estranho sobre Marianske namesti, especialmente à noite. Talvez seja algo a ver com a água que emana da estátua de uma menina num canto da Praça. Alternativamente, poderá ser a figura blindada preta situada à esquerda da Câmara Municipal. Esta é a do Cavaleiro da Noite – um personagem execrável que se diz que ganha vida a cada 100 anos para assombrar as ruas, em busca de virgens.

8.  Com a Câmara Municipal ainda situada na sua frente, vire à direita em direção a Husova, um local detentor de diversos pontos interessantes, por exemplo, o Palácio de Clam-Gallas, construído pelo arquiteto italiano Domenico Canevale. O peso do palácio inteiro parece ser suportado por dois gigantes de pedra. Durante o século XVIII, Clam-Gallas foi o palco dum concerto muito opulento, sendo dois dos mais lembrados os de Mozart e Beethoven. Um pouco ao cimo da rua, à sua esquerda, encontra-se a Igreja de São Egídio, onde alguém, sem dúvida, no lado de fora, oferecer-lhe-á um panfleto, promovendo um concerto de música clássica. Um dos pregadores notáveis da igreja era Jan Milic de Kromeriz, um dos principais defensores da Reforma Pré-Hussita.

9.  Na verdade, esta área é rica em história hussita, e, como pode já ter evidenciado, Husova foi nomeada em honra do reformador religioso Jan Hus. A razão para tal é que Hus outrora pregou na Capela de Belém, que encontrará em Betlemske namesti, à direita, pouco antes de chegar ao final de Husova. Embora o edifício possa acomodar até 3.000 pessoas, este nunca obteve o título de “igreja”. Quando Hus foi excomungado em 1412, o Papa ordenou que a Capela de Belém fosse destruída, mas esta ordem foi claramente ignorada pelo Conselho da Cidade Velha, portanto, agradecemos a este por sua existência nos dias de hoje.

10.  Ao regressar a Husova, olhe para cima e o seu coração poderá deixar de bater por alguns instantes quando reparar no homem pendurado na borda de um edifício. Não receie, pois esta não é uma tentativa de suicídio, nem um trabalhador em perigo, mas uma obra de arte pelo rebelde escultor checo David Cerny. Numa inspeção mais detalhada, poderá verificar que estátua assemelha-se a Sigmund Freud. Se gosta da arte de Cerny, aconselha-se que admire outras obras da sua autoria, nomeadamente duas estátuas a aliviarem-se numa calha com a forma da República Checa, situadas na parte exterior do Museu de Franz Kafka, bem como um grupo bebés enormes sem rosto a escalar os pilares da Torre de Televisão Zizkov.

11.  Prossiga pela rua Skorepka até Uhelny trh (que significa mercado de carvão, que é exatamente o que este local costumava ser). Se gosta de brindar com um copo de vinho morávio de qualidade, faça um desvio para Michalska, onde descobrirá um conjunto coeso de bares que ganham vida todos os dias da semana ao som de guitarra de artistas locais. Se visitar este local na melhor altura do ano, poderá também provar o lendário burchak, uma bebida feita a partir da primeira colheita de uvas. Caso contrário, atravesse Uhelny trh, em direção a Havelská, selecione uma recordação do seu passeio na sua “Feira da Ladra” e vire à esquerda, para Melantrichova, que o levará até a Praça da Cidade Velha.

 

PAT

Check Also

Passeios em Carros Vintage

Alguns negócios disponibilizam viagens em torno da cidade em carros checos vintage que datam do final dos anos 20 e do início dos anos 30. Há pontos de embarque em vários locais no centro da cidade; as viagens iniciam-se conforme a disponibilidade, ou sempre que você pedir, se estiver calmo. Os passeios duram cerca de 40 minutos.